Porque não é errado destrinchar músicas

Por muito tempo, se tem criado no mundo da produção musical uma máxima em que “tudo na sua música precisa ser original”. O que hoje em dia é praticamente impossível. Então, vem comigo nesse artigo que eu vou te mostrar por que estudar outras músicas pode fazer de você um produtor musical muito mais completo ao contrário do que muita gente pode pensar =)

Porque não e errado destrinchar musicas

 É bem comum pensar que você, como produtor de um conteúdo que depende da criatividade, pode simplesmente ficar sem ideias. Horas a fio se passam na frente do computador e você ainda está naqueles mesmos 16 beats, escrevendo e apagando várias e várias sequências de notas, tentando criar o próximo “Animals” da vida.

Isso faz parte da rotina de qualquer produtor de conteúdo, seja ele da área que for. Mas felizmente, para nós músico existe uma alternativa e é ai que entra a parte de “refazer” as músicas.  

Ao começar a entrar nas músicas e observar as técnicas utilizadas para fazê-las, além de se atualizar das técnicas mais novas do mercado, observar aonde e em que momento elas podem ser usadas (cuidado, muitos “mid-blowing” podem rolar nessas horas de descoberta) e até formular melhor a sua cabeça para tentar entender a pergunta de 1 milhão de dólares “Qual a fórmula para fazer uma música de sucesso?” .

Isso pode começar a acontecer na sua cabeça naturalmente apenas de observar e destrinchar uma música de algum artista mais famoso ou colega seu.

*Nesse caso, de você ter um colega que também produz, fica ainda melhor, pois compartilhar as suas estratégias e truques para criação de música, é bastante enriquecedor para os dois, uma vez que ouvir da boca do criador, o que ele pensava/desejava passar quando fez aquela parte da música, ou colocou aquela técnica ali, facilita bastante o trabalho.

As vezes é um kick ou uma bass line que você ouvir de forma isolada, pode te dar aquele start que faltava para você conseguir construir a sua própria base, e começar dali a sua música inteira.

Quando você tenta, por uma vez ou outra copiar uma música, você, caso seja um produtor já avançado, pode acabar aprendendo uma técnica nova de criação de melodias, que pode agregar muito para você. Pois muitas vezes, você até começa com o objetivo de criar a mesma música, mas como seu work flow for acontecendo, suas idéias podem ir te levando para outro canto, e para outro canto, e para outro canto… Até que no final, teremos uma música nova, e que em muito pouco ou nada se parece com a “original”.

Essa mistura das suas ideias pode dar aquele “punch” que suas músicas estavam precisando, quem sabe a mina de ouro que se pode encontrar.

E para você que é iniciante, fique tranquilo! Você tem a ganhar ainda mais!!Se imagine como um estudante iniciante de violão, primeiramente é necessário aprender a tocar as músicas de outros artistas, certo? Para que você pegue as técnicas de batida (ritmo da música), os acordes utilizados para entonar a música as escalas que foram utilizadas nos solos…  e assim em diante, para que depois de muita pratica e já habituado ao “padrão” que você acaba por identificar nas músicas mais conhecidas, você começa a desenvolver o seu próprio estilo, em cima das já conhecidas. Então (se preparem para linha mais importante do artigo) a palavra não é originalidade, e sim, inovação. Com a música eletrônica não é diferente, você precisa primeiramente saber como as músicas de sucesso são construídas, dissecando os pre-sets que são disponibilizados nos sites de remakes de músicas famosas. Para que com o tempo, você comece a se achar no direito de falar: Não, eu acho que se eu fizer esse lead (Melodia principal) desse jeito, acho que ficaria melhor, adicionando efeito X ou Y e tirando esse SideChain. Quando você for ver… BAM, uma nova música foi criada, e nem se parece em nada com a original.

Ou seja, o que é necessário não é você criar uma coisa totalmente nova e que ninguém nunca tinha visto, pois isso é uma tarefa quase impossível de ser feita e só de muitos em muitos anos, além de ser uma tarefa muito grande a ser completada e como já falamos aqui em outro artigo, temos que nos focar em tarefas pequenas, para concluirmos várias tarefas pequenas e atingir uma grande.

O necessário é você observar o padrão que o mercado se comporta, e modificar dentro daquele padrão, o suficiente para que sua identidade seja notada. Como exemplos bem claros, podemos citar aquo Oliver Heldens, e o nosso Vintage Culture. 

Eles observaram um padrão que já era estabelecido, de estilos eletrônicos já consagrados e colocaram a sua pitada de personalidade nas suas músicas, vindo por acaso a criar uma coisa “nova”, mas que em sua essência, acaba sendo bem parecida com muitas coisas.

Essa técnica de “dissecação” das músicas, pode ser achada logo do começo do nosso curso de produção, o Quick Producer, que vai te mostrar onde conseguir os arquivos de cópias de grandes músicas para Fl ou Ableton, já prontos para a nossa livre exploração!

Conheça nosso curso de Produção de Música Eletrônica e se torne um Dj Produtor de Sucesso  

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *